6 de outubro de 2009


AMIGO
Ana Barreto

A vida sempre nos oferece
Em horas tantas em que precisamos
Irmãos tão doces, que não buscamos
Mas pedimos a Deus, em nossa prece

Quando a dor, o coração fenece,
Surge alguém com quem compartilhamos
As flores e os espinhos que plantamos
E a nossa tristeza, de alegria esmorece

São presentes que vem sem laço de fita
E se de solidão, a nossa alma grita,
Ali estão, para nos dar abrigo.

E a cada hora em que se brinca ou medita
Nos trazem sempre a alegria bendita
De poder dizer... Tenho um amigo!

3 comentários:

Glorinh@ disse...

Saber ser poeta,
é saber sonhar sem deixar de viver,
e saber viver sem deixar de sonhar...
é saber amar sem ser amado,
e saber ser amado mesmo sem amar,
sem se desesperar ou causar desespero...
é mais ainda, saber conversar com Deus,
saber conhecer a alma,
tanto a sua, como a dos outros...
é saber atingir os corações sem magoá-los,
é saber despertar sonhos,
é saber enlevar as almas...
é conhecer seu interior,
sem totalmente se expor...
enfim, ser poeta, é simplesmente,
ter sensibilidade de corpo e alma,
é saber o que excita e o que acalma...
é saber tranquilizar quem sofre,
é saber fazer sonhar quem ama...
e finalmente, ser poeta, é na realidade,
saber ser poeta, e fazer disso a sua felicidade...
Marcial Salaverry

Seu blog é poeticamente maravilhoso...
Bjs meus
Namaste

Poesias Que Amo disse...

Aninha...tem um selo de
presente prá vc no meu
blo...

Bjos,

Renata Mangeon

Poemas de Amor e Graça disse...

CONSONÂNCIA
com seu soneto AMIGO

AMIZADE
Nossa Amizade, Amiga, faz tão bela
a minha vida na literatura
que em cada verso brota mais doçura,
como o soneto novo aqui revela.

A parceria aumenta e nos revela
um novo quadro posto na moldura,
canção às vezes numa partitura,
uma pintura nova, uma aquarela...

Como um presente num laço de fita,
também os versos podem ser a prece
que se recita na manhã bonita.

O coração escreve em sintonia,
traz uma flor que brota e não fenece,
como jamais fenece a poesia.

Jorge das Neves
poeta@infolink.com.br